Por que não é nada fácil ser o filho mais velho?

Por Bárbara e Nina Dória

Eu sou a filha do meio por parte de pai, e a mais velha por parte de mãe. Ser a filha do meio é tentar superar, ou pelo menos igualar as conquistas do filho mais velho e, ao mesmo tempo, ser um exemplo para o caçula. Com isso vem o ciúme e reclamações sobre a falta de atenção, importância e falta de amor. De acordo com o filho do meio, os pais esgotaram tudo que poderiam oferecer no quesito atenção em seu primeiro filho e não tem o suficiente para o que veio depois, e mais, ainda tem um pequeno que precisa do que resta dessa dedicação.

Enfim, hoje eu sou mãe, e por mais que me lembre de toda minha história de quando era somente filha, ainda me pego fazendo com que a minha filha mais velha também passe por situações que eu não gostava de passar só por ser “mais velha”. Então, o que eu pretendo aqui é enquanto escrevo, refletir sobre como tenho tratado minha primogênita, e também ajudar quem é mãe de dois a repensar suas atitudes!

Eu amo minhas irmãs e meu irmão, eles significam o mundo para mim, e acredito que ter irmãos é o que torna a vida bem mais leve. Mas confie em mim, não é nada fácil ser a mais velha!

Pedi ajuda para minha filha mais velha, Bárbara (5 anos) e listei algumas coisas chatas que os pais precisam saber sobre seu filho mais velho, vamos lá:

 

1) Pais / familiares / amigos dos pais esperam muito de mim – responsabilidade e maturidade ao tomar decisões, fazer as coisas sempre certinhas (de modo que minha irmã aprenda comigo), e assim por diante. Para ser franca, eu acho que é uma carga muito pesada para mim.

 

2) Eu tenho que saber tudo, tenho que orientar a minha irmã o certo a fazer e blá, blá, blá… Ninguém se preocupa se eu já sei o que é certo. Eu queria mesmo era ensinar a minha irmã o que é divertido, para ensinar o certo já tem a mamãe e o papai. Aliás, lembrem-se: VOCÊS APRENDERAM A SER PAIS COMIGO.

 

3) Eu gostaria que meus pais não esperassem tanto de mim, que me deixassem explorar mais a vida, mesmo que isso signifique cair ou me frustrar de vez em quando. Com todas essas expectativas acabo me cobrando muito também, e as vezes me sinto culpado por não conseguir.

 

4) Este tópico em particular foi o que me motivou a escrever este post – quando eu era pequena, minha irmã mais nova reclamava para meus pais que eu era mais importante que ela. OK! Hoje até entendo porque ela se sentia assim. Acho que o que pesava era a cobrança para que ela fosse tão bem quanto eu ia nas coisas que eu fazia bem. Mas me lembro muito também de ter que levar ela comigo quando ia à casa de alguma amiga, ou ter que sempre permitir que ela brincasse junto quando minhas amigas estavam em casa PORQUE ELA É PEQUENA!!!!! Sei também que fiz minhas maldades para tentar evitar essas situações, mas poxa, era o MEU momento. E a primeira coisa que minha filha disse quando pedi para me contar sobre o que é difícil para uma irmã mais velha foi:

“Mãe, ela não me deixa fazer minhas coisas e estraga minhas brincadeiras. Se deixo ela brincar, ela não sabe. Ela estraga meus brinquedos, ou pega algum e quando preciso não consigo tirar dela sem que chore para devolver e alguém acaba dizendo para deixar com ela porque é pequenininha e já vai soltar, as vezes eu até desisto de brincar por isso. Cuidar de bebê é muito difícil!” Eu amo minha irmãzinha e sei que temos que brincar juntas e nos proteger, mas é preciso saber respeitar o espaço de cada uma.

 

5) Às vezes, o papai e a mamãe estão decidindo alguma coisa relacionada a nossa família e pedem minha opinião, ou apenas querem ser gentis e saber o que eu penso. Acho que eles pensam que sou velha o suficiente para ser incluída nas decisões lá de casa. Se eu respondo que não sei, ou “legal”, parece que eles não ficam satisfeitos! Ah, expectativas de novo !!

 

6) “De vez em quando eu tenho ciúme”, faço manha e quero colo justo quando minha irmãzinha está ocupando esse lugar. Não adianta dizer que já sou mocinha, pois mesmo que eu goste da ideia não vou compreender. Se der, passe minha irmãzinha pro papai e me pegue no colo um pouco para explicar a situação com jeitinho. Sou maior que ela, mas também sou pequena.

 

7) “A gente não consegue ajudar em tudo que a mãe quer.” Não me peça tantos favores, e quando eu não puder te ajudar com o bebê, por favor seja mais compreensiva. Assim como você pede que eu seja quando você não pode me atender.

 

8) Eu sei que a noite é feita para dormir e devemos ficar mais calmos, mas durante o dia, principalmente nos finais de semana, eu adoro brincar. Correr, pular, gargalhar e derrubar coisas fazem parte da brincadeira, mesmo se minha irmãzinha estiver tirando uma soneca.

 

9) Se você está nervosa porque a pequena não para de chorar ou não consegue dormir, não desconte em mim o seu nervosismo só porque ela ainda não entende.

 

10) Não deixe de fazer comigo os programas divertidos para minha idade que fazíamos quando eu ainda era a única filha.

 

E aí, percebeu? Não é tão fácil ser a filha mais velha. Claro, admito que tem sim algumas vantagens … mas as desvantagens são bem difíceis de lidar. Então, se perceber que meu comportamento não está do seu agrado, tente conversar comigo e perguntar se o seu também tem me agradado e como podemos melhorar uma com a outra! Ah, e se prepare, pois eu aposto que minha irmã caçula logo poderá dar 10 motivos pelos quais é mais complicado ser a filha mais nova.

Beijos,

Sua primogênita.♥

 

Comentários

Comentários

Posts Relacionados