O balde de chupetas

IMG_0938
Dependendo da frequência , intensidade e duração do hábito de chupar chupeta, ele começa a se tornar uma preocupação para os pais, que sabem que a longo prazo pode trazer consequencias ruins para a saúde geral da criança. A chupeta não vem com bula ensinando como e quando deve ser feita a retirada, e isso geralmente é motivo de ansiedade para nós, pais.
Mas uma coisa é certa, quanto mais tempo demorar, mais dificil vai ficar de romper o vínculo da criança com o objeto. Para pais determinados a dar esse passo e enfrentar junto de seus filhos essa mudança, existem varias dicas como:
– Fazer uma troca de acordo com a idade.
– Reduzir aos poucos o tempo da chupeta.
– Conversar bastantante com os que ja tem alguma maturidade para compreender, sendo claro e objetivo. Uma das maneiras de introduzir e ilustrar o assunto é através de livros e histórias.
Por isso, a dica de livro hoje é ” O balde de chupetas,” onde Bia Hetzel e Mariana Massarani abordam esse dilema vivido por tantas  crianças:a hora de deixar a chupeta!!!
A história de “Joca”, que já é um meninão, tem o objetivo de falar diretamente ao coração das crianças, propondo uma solução para esse momento tão dificil na vida de muitos pequenos.

Com muita cor e linguagem simples, a familia do pequeno “Joca” faz de tudo para que ele abandone sua “pepeta”. Mas nada funciona. Até que um dia, sua tia apresenta-lhe o mágico “balde das chupetas”, que transforma as “pepetas” em um presente – de um “abraço de urso” a um brinquedo – a ser escolhido pela criança. Até que finalmente ele consegue deixar a amiga no balde na companhia de outras chupetas. Mas, avisa que não vai fazer o mesmo com seu “soninho”, o bonequinho que ele usa para dormir.

Embora o livro sugira a troca como uma estratégia para a retirada da chupeta, nem sempre ela precisa ser uma troca “material”, com brinquedos caros ou objetos difíceis de adquirir, mas sim uma troca especial e que simbolize o crescimento da criança.

Devemos estar atentos que a retirada dos objetos de apego devem ser feitas por etapas e com o consentimento da criança. Respeitando o ritmo dela, as chances de sucesso aumentam, especialmente porque assim, a criança passa a se sentir segura, confiante e confortável mesmo sem estes objetos para ela tão importantes.

 

Autora:Bia Hetzel

Ilustrações: Mariana Massarani.

Editora: Manati

Faixa etária sugerida: 2 a 5 anos (leitura compartilhada).

Comentários

Comentários

Posts Relacionados