ENTREVISTA COM A ANESTESISTA

 

IMG_2167

A partir do momento que a gente descobre a gravidez, automaticamente várias dúvidas e curiosidades tomam conta de nossos pensamentos. Conforme a data do parto vai se aproximando a ansiedade e medos vão aumentando também, principalmente em mamães de primeira viagem. Um desses medos é relacionado a anestesia, seja lá qual for o tipo de parto.
Por isso, as Mãelabaristas entrevistaram a médica anestesista e mãe , Larissa Falcão Gomes, para tentar acalmar um pouquinho o coração das nossas leitoras gravidinhas.
1) Quais os tipos de anestesia existentes para um parto?

Existem 3 tipos de anestesia para o parto: raquianestesia, peridural (ambas aplicadas nas costas) e geral. Geralmente para cesarianas é realizada a raquianestesia. No parto transvaginal geralmente é realizada a peridural (na qual pode ser passado um cateter bem fininho por onde o anestesista faz mais medicação contra a dor sempre que necessário, sem a necessidade de outras punçoes, tendo em vista que este tipo de parto pode demorar cerca de 12 horas; e quando o bebê nasce o cateter é retirado). A anestesia geral é a menos utilizada, mas tem as suas indicações.
2) O paciente pode escolher o tipo de anestesia? Qual a melhor opção?
A escolha da técnica anestésica é de responsabilidade única e exclusiva do médico anestesiologista. Cada técnica tem a sua indicação e não existe uma melhor do que a outra. O importante é o anestesista sempre explicar para a gestante o que vai fazer e o que está acontecendo.

3) Onde é dada a picada da anestesia? Ela dói?

A ”picada” da anestesia é realizada nas costas, no espaço entre as vértebras. Geralmente as pacientes sentem uma dorzinha no local da punção, ou apenas uma pressão. Porém, como a agulha é muito fina, algumas mamães relatam que nem chegam a sentir a famosa picada.

4) Quem é o responsável pela anestesia?

O profissional responsável pela anestesia é o médico anestesiologista, que cursa 6 anos de Faculdade de Medicina, e 3 anos de especialização em Anestesiologia.
5) Todo parto necessita de anestesia?
Alguns partos transvaginais são realizados sem anestesia. Hoje em dia algumas pacientes optam, em conjunto com seu obstetra, pelo parto “natural”, que é aquele feito com a mínima intervenção possível, inclusive sem a analgesia de parto.

6) Existe parto com anestesia geral?
Existem alguns partos com anestesia geral, apesar de serem a minoria. A anestesia geral tem sim as suas indicações na obstetrícia. O anestesista sempre optará pela melhor técnica para a gestante e para o bebê, e em alguns casos a anestesia geral é a melhor técnica.
7) É necessário passar por uma consulta com o anestesiologista antes do parto, por que?
A consulta pré-anestésica deve ser feita antes de toda e qualquer cirurgia eletiva, incluindo o parto. Nesta consulta o anestesista avalia a paciente, investiga possíveis doenças ou alergias, faz as devidas orientações, solicita exames quando necessários, além da paciente poder tirar todas as suas dúvidas. É muito importante levar para o hospital esta ficha de avaliação pré-anestésica que já foi preenchida, junto com todos os outros exames e documentos. Quando o parto é realizado em caráter de urgência, sem que esta avaliação tenha sido realizada no consultório, o anestesista a fará logo antes do parto.
8) Quanto tempo dura uma anestesia?
O tempo de duração da anestesia é muito variado, pois depende do tipo de parto e da técnica empregada. Mas não precisa se preocupar com isso, pois o anestesista estará sempre ao lado para que a paciente não sinta dor alguma. Em média a raquianestesia durará cerca de 3 horas, a peridural dependerá se for passado ou não o cateter para analgesia, e na anestesia geral o paciente acorda assim que acabar a cirurgia.

9) Quais os principais efeitos colaterais de uma anestesia?
O principal efeito colateral da raquianestesia é a queda da pressão arterial. Mas ela é fácil e rapidamente tratada com medicação. Algumas pacientes também relatam uma coceira no pós-operatório, principalmente na face e no tronco. Essa coceira não significa alergia, é apenas um efeito colateral da morfina que algumas pacientes apresentam; não é nada grave, e também pode ser revertida com medicação.

10) Qual é a responsabilidade do anestesiologista antes, durante e após o parto?
A responsabilidade do anestesista começa desde a consulta pré-anestésica. No centro cirúrgico ele acompanhará todo o parto, e é responsável não só pelo alívio da dor, como também pela manutenção das funções vitais da paciente (respiração, pressão arterial, batimentos cardíacos, etc). Ao fim do procedimento cirúrgico, a paciente é encaminhada à sala de recuperação pós-anestésica, onde permanecerá monitorizada e sob vigilância do anestesista, e assim que forem preenchidos os critérios de alta, o anestesista a liberará para o quarto.

11) Como é a volta do paciente à sensibilidade após a anestesia?
À medida que a raquianestesia vai passando a paciente começa a sentir os pés, as pernas e depois a barriga formigando, e logo a seguir a paciente consegue mexer as pernas. Geralmente na peridural para parto transvaginal as pacientes continuam mexendo as pernas durante o procedimento, e sentem apenas uma dormência na região perineal e na barriga. Na anestesia geral a paciente vai dormir, e só acorda quando a cirurgia tiver terminado.
12) Sala de recuperação é sinônimo de complicação?

Sala de recuperação não é sinônimo de complicação. Sala de recuperação é sinônimo de vigilância. As pacientes permanecem monitorizadas e são constantemente avaliadas, até que estejam aptas a irem para o quarto.
13) Como o paciente deve se preparar para a anestesia?

A melhor forma de se preparar para a anestesia é passando por uma consulta pré-anestésica, na qual receberá as devidas orientações e poderá esclarecer suas dúvidas com relação à anestesia. Outro aspecto importante é com relação ao jejum.
Nas cesarianas eletivas, aquelas agendadas previamente, a paciente deverá estar em jejum (8horas para sólidos, 4h para sucos sem resíduos, 2horas para água).
14) Alguma dica para as futuras mamães?
O parto é um momento muito esperado por todas nós mamães, é quando iremos conhecer o nosso bem maior, e queremos que tudo dê certo. Apesar da ansiedade e da expectativa é importante tentar manter a calma e confiar nos profissionais ali presentes.

Comentários

Comentários

Posts Relacionados